Força de trabalho de Profissionais de Educação Física na Atenção Primária à Saúde

Autores

  • Debora Bernardo da Silva Universidade de São Paulo, Faculdade de Saúde Pública, Departamento de Epidemiologia, São Paulo, São Paulo, Brasil. http://orcid.org/0000-0003-4351-8929
  • Taciana Rocha dos Santos Sixel Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina, Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional, São Paulo, São Paulo, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-7264-3142
  • Arthur de Almeida Medeiros Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina, Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional, São Paulo, São Paulo, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-2192-8823
  • Ana Carolina Basso Schmitt Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Instituto Integrado de Saúde, Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-3685-6735

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.27e0240

Palavras-chave:

Atividade física, Sistema Único de Saúde, Epidemiologia, Educação Física, Força de trabalho

Resumo

O objetivo deste estudo foi analisar a distribuição espaço temporal de Profissionais de Educação Física na Atenção Primária à Saúde do Sistema Único de Saúde nos Estados brasileiros. Este estudo possui característica ecológica de série temporal, em que foram utilizados dados secundários do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde de 2008 a 2020 para identificar a força de trabalho desta área profissional. Foram construídos mapas e gráficos para a análise espacial da força de trabalho, número de Profissionais de Educação Física por 10.000 habitantes, por Estados e regiões brasileiras. As análises de regressão foram realizadas no Joinpoint Regression Program versão 4.7.0.0, considerando o intervalo de confiança de 95%. Em 2008 no Brasil havia 321 Profissionais de Educação Física na atenção primária e 139 em 2020, representando uma diminuição de 56% para a quantidade de profissionais vinculados à Atenção Primária à Saúde. Observou-se o crescimento da densidade deste profissional na maioria dos Estados no primeiro momento e o decréscimo em seguida. Destaca-se o Estado de Espírito Santo, com a maior densidade de profissionais em 2008 e Pernambuco que atingiu em 2012 o maior pico entre os Estados. A tendência temporal variou entre os Estados brasileiros, Goiás foi o único que apresentou aumento no período de 2008 a 2020, já na região Sudeste todos os Estados demonstraram decréscimo. O incentivo da prática de atividade física supervisionada e orientada é importante para auxiliar no aumento da força de trabalho do Profissional de Educação Física na Atenção Primária à Saúde, como também aumentar o nível de atividade física da população, contribuindo para adquirir benefícios de saúde oriundos da prática regular de atividade física.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Guthold R, Stevens GA, Riley LM, et al. Worldwide trends in insufficient physical activity from 2001 to 2016: a pooled analysis of 358 population-based surveys with 1·9 million participants. The Lancet Global Health. 2018;6:e1077–e1086.

World Health Organization. WHO guidelines on physical activity and sedentary behaviour: at a glance. Geneva, 2020.

Ding D, Lawson KD, Kolbe-Alexander TL, et al. The economic burden of physical inactivity: a global analysis of major non-communicable diseases. Lancet. 2016;388: 1311–24.

Ministério da Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas e agravos não transmissíveis no Brasil. Brasília, DF, 2020.

Carvalho MN de, Gil CRR, Costa EMOD, et al. Needs and dynamics of the Primary Healthcare workforce in Brazil. Ciênc saúde colet. 2018;23: 295–302.

L9696, http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9696.htm (accessed 27 April 2021).

Lima WP. Educação Fí­sica e Saúde: perspectivas de atuação profissional. Rev Bras Fisiol Exerc. 2019;18: 64–9.

Lopes MA, Almeida ÁS, Almada-Lobo B. Handling healthcare workforce planning with care: where do we stand? Hum. Resour. Health 2015;13:38.

Asamani JA, Ismaila H, Plange A, et al. The cost of health workforce gaps and inequitable distribution in the Ghana Health Service: an analysis towards evidence-based health workforce planning and management. Hum. Resour. Health. 2021;19:43.

Silva PSC. Physical Education Professionals in the Unified Health System: an analysis of the brazilian registry of health institutions between 2013 and 2017. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2019;23:1–8.

da Silva DB, dos Santos Sixel TR, de Almeida Medeiros A, et al. The workforce for rehabilitation in primary health care in Brazil. Hum. Resour. Health 2021; 19: 127.

Saldanha R de F, Bastos RR, Barcellos C. Microdatasus: pacote para download e pré-processamento de microdados do Departamento de Informática do SUS (DATASUS). Cad Saúde Pública; 35. Epub ahead of print 16 September 2019.

Brasil M da S. Tipo de estabelecimento. DATASUS, http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/cnes/tipo_estabelecimento.htm (2020, accessed 10 November 2020).

World Health Organization. A Universal Truth: no health without a workforce. Geneva: Global Health Workforce Alliance and Word Health Organization, 2013.

UFMG (ed). Construção do Índice de escassez de profissionais de saúde, http://epsm.nescon.medicina.ufmg.br/epsm/Relate_Pesquisa/Index_relatorio.pdf (2010).

World Health Organization. National Health Workforce Accounts: A Handbook. Disponível em: url: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/259360/9789241513111-eng.pdf (citado 2017).

Kim HJ, Fay MP, Feuer EJ, et al. Permutation tests for joinpoint regression with applications to cancer rates. Stat Med. 2000;19:335–51.

Kim H-J, Fay MP, Yu B, et al. Comparability of segmented line regression models. Biometrics. 2004;60:1005–1014.

Brasil M da S. Portaria No 1.402, http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1402_15_06_2011.html (2011, accessed 10 November 2020).

Brasil M da S. Portaria No 2.436, https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html (2017, accessed 10 November 2020).

Diário Oficial da União. Portaria No 2.979. 2019; 3.

Cometto G, Buchan J, Dussault G. Developing the health workforce for universal health coverage. Bull World Health Organ. 2020; 98:109–116.

Carvalho M de, Santos NR dos, Campos GW de S. A construção do SUS e o planejamento da força de trabalho em saúde no Brasil: breve trajetória histórica. Saúde debate. 2013;37:372–87.

Karan A, Negandhi H, Hussain S, et al. Size, composition and distribution of health workforce in India: why, and where to invest? Hum. Resour. Health. 2021;19:39.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis. Vigitel Brasil 2020: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2020 / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis. – Brasília: Ministério da Saúde, 2021. 124 p. : il.

Ministério da Saúde. Plano Nacional de Saúde 2020-2023. 2020. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/plano_nacional_saude_2020_2023.pdf.

Bueno DR, Marucci M de FN, Codogno JS, et al. Os custos da inatividade física no mundo: estudo de revisão. Ciênc saúde colet. 2016;21:1001–10.

Organization WH. Global Action Plan on Physical Activity 2018-2030: More Active People for a Healthier World. World Health Organization, 2019.

Silva DB da, Papini CB, Nakamura PM, et al. Efetividade de duas intervenções com diferentes volumes de exercícios físicos na qualidade de vida em mulheres usuárias da Atenção Básica de Saúde. Rev. Bras. Ativ. Fis. Saúde. 2018;23:1–9.

Teixeira MB, Casanova A, Oliveira CCM, et al. Evaluation of health promotion practices: a look from the participating teams of the National Program for Access and Quality Improvement in Primary Care. Saúde debate. 2014;38:52–68.

Ministério da Saúde. Guia de Atividade Física para a População Brasileira. 2021.

Rocha TAH, Silva NC da, Barbosa ACQ, et al. Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde: evidências sobre a confiabilidade dos dados. Ciênc saúde colet. 2018;23:229–40.

Downloads

Publicado

2022-02-11

Como Citar

1.
Silva DB da, Sixel TR dos S, Medeiros A de A, Schmitt ACB. Força de trabalho de Profissionais de Educação Física na Atenção Primária à Saúde. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 11º de fevereiro de 2022 [citado 3º de julho de 2022];27:1-9. Disponível em: https://rbafs.emnuvens.com.br/RBAFS/article/view/14763

Edição

Seção

Artigos Originais