Mudanças nos níveis de ansiedade e depressão após dois programas de exercícios com mulheres participantes do Programa Academia de Saúde

Autores

  • Carolina Gabriela Reis Barbosa Universidade Metodista de Piracicaba, Programa de Pós-graduação em Ciências do Movimento Humano, Piracicaba, São Paulo, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-0408-9968
  • Alex Harley Crisp Universidade Metodista de Piracicaba, Programa de Pós-graduação em Ciências do Movimento Humano, Piracicaba, São Paulo, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-4683-9576
  • José Jonas de Oliveira Universidade Metodista de Piracicaba, Programa de Pós-graduação em Ciências do Movimento Humano, Piracicaba, São Paulo, Brasil. Centro Universitário Itajubá, Itajubá, Minas Gerais, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-0872-1809
  • Anna Gabriela Silva Vilela Ribeiro Universidade Metodista de Piracicaba, Programa de Pós-graduação em Ciências do Movimento Humano, Piracicaba, São Paulo, Brasil. Centro Universitário Itajubá, Itajubá, Minas Gerais, Brasil.
  • Matheus Valério Almeida Oliveira Universidade Metodista de Piracicaba, Programa de Pós-graduação em Ciências do Movimento Humano, Piracicaba, São Paulo, Brasil.
  • Rozangela Verlengia Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, São Paulo, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-8626-0476

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.27e0257

Palavras-chave:

Atividade física, Saúde pública, Saúde mental, Aptidão física, Mulher

Resumo

Este estudo investigou mudanças nos sintomas de ansiedade e depressão após dois programas de exercícios com mulheres adultas participantes do Programa Academia da Saúde. Com base em amostragem não probabilística, um total de 93 mulheres adultas (faixa etária: 19 a 77 anos) foram recrutadas em duas unidades de saúde, selecionadas para receber programas de exercícios físicos com características contínua (CT; n = 53) ou intermitente (IT; n = 40). As atividades foram supervisionadas durante seis meses (duas vezes por semana; ~60 min) por um profissional de educação física. O desfecho primário do estudo foi a avaliação do nível de alterações de ansiedade e depressão por meio da escala Hospitalar de Ansiedade e Depressão. A função física foi avaliada por meio do teste de caminhada de 1 milha, força de preensão manual e teste de sentar e levantar. Nenhuma interação grupo-por-tempo significativa foi observada para qualquer um dos resultados investigados. . Em relação às comparações entre os momentos, houve melhora significativa nos escores de ansiedade (F = 16,52; p = <0,001; ηp2 = 0,15) e depressão (F = 9,29; p = 0,003; ηp2 = 0,09). Além disso, houve melhorias significativas no teste de caminhada de 1 milha (F = 70,36; p = <0,001; ηp2 = 0,44), teste de sentar e levantar (F = 141,53; p = <0,001; ηp2 = 0,61) e desempenho de força de preensão manual (F = 10,12; p = 0,002; ηp2 = 0,10). Em conclusão, ambos os programas de exercícios foram igualmente eficazes na promoção de mudanças benéficas nos níveis de ansiedade, depressão e melhora da função física em mulheres participantes do Programa Academia de Saúde. Portanto, a decisão de escolher qual protocolo aplicar deve ser baseada na preferência da comunidade e em considerações práticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alex Harley Crisp, Universidade Metodista de Piracicaba, Programa de Pós-graduação em Ciências do Movimento Humano, Piracicaba, São Paulo, Brasil.

Graduado em Educação Física - CREF n°: 072080-G/SP. Especialista em Bioquímica, Fisiologia, Treinamento e Nutrição Desportiva. Mestre em Educação Física pela Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP) na linha de pesquisa: Movimento Humano e Esporte. Doutor em Alimentos e Nutrição pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) na linha de pesquisa: Ciências Nutricionais. Pós-doutorando do programa de pós-graduação em Ciências do Movimento Humano. Atual linha de investigação: atividades físicas e miocinas sobre os parâmetros de saúde e desempenho físico. 

Referências

Collaborators GBDMD. Global, regional, and national burden of 12 mental disorders in 204 countries and territories, 1990-2019: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2019. Lancet Psychiatry. 2022;9(2):137-50.

Organization WH. Global burden of mental disorders and the need for a comprehensive, coordinated response from health and social sectors at the country level 2011. Available from: https://apps.who.int/gb/ebwha/pdf_files/EB130/B130_9-en.pdf.

Sporinova B, Manns B, Tonelli M, Hemmelgarn B, MacMaster F, Mitchell N, et al. Association of Mental Health Disorders With Health Care Utilization and Costs Among Adults With Chronic Disease. JAMA Netw Open. 2019;2(8):e199910.

Mangolini VI, Andrade LH, Wang Y-P. Epidemiology of anxiety disorders in Brazilian regions: a literature review. Rev Med (São Paulo). 2019;98:415-22.

Silva MT, Galvao TF, Martins SS, Pereira MG. Prevalence of depression morbidity among Brazilian adults: a systematic review and meta-analysis. Rev Bras Psiquiatr. 2014;36:262-70.

Al-Harbi KS. Treatment-resistant depression: therapeutic trends, challenges, and future directions. Patient Prefer Adherence. 2012;6:369-88.

Wainberg ML, Scorza P, Shultz JM, Helpman L, Mootz JJ, Johnson KA, et al. Challenges and Opportunities in Global Mental Health: a Research-to-Practice Perspective. Curr Psychiatry Rep. 2017;19(5):28.

Malta DC, Silva MMA, Albuquerque GM, Amorim RCA, Rodrigues GBA, Silva TS, et al. National Policy for the Health Promotion, description of the implementation of the physical activity and body practices, 2006-2014. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2014;19(3):286-99.

Warburton DE, Nicol CW, Bredin SS. Health benefits of physical activity: the evidence. CMAJ. 2006;174(6):801-9.

Wegner M, Helmich I, Machado S, Nardi AE, Arias-Carrion O, Budde H. Effects of exercise on anxiety and depression disorders: review of meta- analyses and neurobiological mechanisms. CNS Neurol Disord Drug Targets. 2014;13(6):1002-14.

Schuch FB, Vancampfort D, Richards J, Rosenbaum S, Ward PB, Stubbs B. Exercise as a treatment for depression: A meta-analysis adjusting for publication bias. J Psychiatr Res. 2016;77:42-51.

Stubbs B, Vancampfort D, Rosenbaum S, Firth J, Cosco T, Veronese N, et al. An examination of the anxiolytic effects of exercise for people with anxiety and stress-related disorders: A meta-analysis. Psychiatry Res. 2017;249:102-8.

Zigmond AS, Snaith RP. The hospital anxiety and depression scale. Acta Psychiatr Scand. 1983;67(6):361-70.

Yates T, Gray LJ, Henson J, Edwardson CL, Khunti K, Davies MJ. Impact of Depression and Anxiety on Change to Physical Activity Following a Pragmatic Diabetes Prevention Program Within Primary Care: Pooled Analysis From Two Randomized Controlled Trials. Diabetes Care. 2019;42(10):1847-53.

Botega NJ, Bio MR, Zomignani MA, Garcia C, Jr., Pereira WA. [Mood disorders among inpatients in ambulatory and validation of the anxiety and depression scale HAD]. Rev Saude Publica. 1995;29(5):355-63.

Kline GM, Porcari JP, Hintermeister R, Freedson PS, Ward A, McCarron RF, et al. Estimation of VO2max from a one-mile track walk, gender, age, and body weight. Med Sci Sports Exerc. 1987;19(3):253-9.

Júnior JRM, Jackson AW, Disch JG, Mood DP. Avaliação da Aptidão Física e da Atividade Física em Adultos. In: Jr. JRM, Jackson AW, Disch JG, Mood DP, editors. Medida e avaliação do desempenho humano. Porto Alegre-RS: ArtMed; 2014. p. 207-64.

Trossman PB, Li P-W. The Effect of the Duration of Intertrial Rest Periods on Isometric Grip Strength Performance in Young Adults. The Occupational Therapy Journal of Research.9(6):362-78.

Stewart A, Marfell-Jones M, Olds T, Ridder H. International standards for anthropometric assessment. Lower Hutt, New Zealand: International Society for the Advancement of Kinanthropometry; 2011.

DeLucca L, Freccia GW, Silva AELe, Oliveira FRd. Talk test as method to control exercise intensity. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2012;14(1):114-24.

Borg GA. Psychophysical bases of perceived exertion. Med Sci Sports Exerc. 1982;14(5):377-81.

Lovakov A, Agadullina ER. Empirically derived guidelines for effect size interpretation in social psychology. Eur J Soc Psychol. 2021;51(3):485-504.

Field A. Discovering statistics using IBM SPSS statistics: sage; 2013.

Becker LA, Gonçalves PB, Reis RS. Primary health care programs for physical activity promotion in the Brazil: a systematic review. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2016;21(2):110-22.

Silva DBd, Papini CB, Nakamura PM, Gomes GAdO, Kokubun E. Effectiveness of two primary health care-based interventions with different physical exercise volumes on quality of life in women. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2018;23:e0059.

Ritti-Dias RM, Trapé ÁA, Farah BQ, Petreça DR, Lemos ECd, Carvalho FFBd, et al. Physical activity for adults: Physical Activity Guidelines for the Brazilian Population. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2021;26:e0215.

Harvey SB, Overland S, Hatch SL, Wessely S, Mykletun A, Hotopf M. Exercise and the Prevention of Depression: Results of the HUNT Cohort Study. Am J Psychiatry. 2018;175(1):28-36.

Teychenne M, White RL, Richards J, Schuch FB, Rosenbaum S, Bennie JA. Do we need physical activity guidelines for mental health: what does the evidence tell us? Ment Health Phys Act.18.

Fortier M, McFadden T, Faulkner G. Evidence-based recommendations to assist adults with depression to become lifelong movers. Health Promot Chronic Dis Prev Can. 2020;40(10):299-308.

Azevedo J, Mundstock E. Effects of guided physical exercise in public patients in the city of Canela, Brazil. Rev Bras Ciênc Esporte 2018;40:339-45.

Williams PT, Thompson PD. The relationship of walking intensity to total and cause-specific mortality. Results from the National Walkers' Health Study. PLoS One. 2013;8(11):e81098.

Soysal P, Hurst C, Demurtas J, Firth J, Howden R, Yang L, et al. Handgrip strength and health outcomes: Umbrella review of systematic reviews with meta-analyses of observational studies. J Sport Health Sci. 2021;10(3):290-5.

Downloads

Publicado

2022-06-06

Como Citar

1.
Barbosa CGR, Crisp AH, Oliveira JJ de, Ribeiro AGSV, Oliveira MVA, Verlengia R. Mudanças nos níveis de ansiedade e depressão após dois programas de exercícios com mulheres participantes do Programa Academia de Saúde. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 6º de junho de 2022 [citado 3º de julho de 2022];27:1-9. Disponível em: https://rbafs.emnuvens.com.br/RBAFS/article/view/14789

Edição

Seção

Artigos Originais