Fatores associados aos comportamentos ativo e sedentário em adolescentes brasileiros: uma análise de redes

Autores

  • José Ywgne Vieira do Nascimento Universidade Federal de Alagoas, Laboratório de Cineantropometria, Atividade Física e Promoção da Saúde, Arapiraca, Alagoas, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-7113-6402
  • Cayo Vinnycius Pereira Lima Universidade Federal de Alagoas, Laboratório de Cineantropometria, Atividade Física e Promoção da Saúde, Arapiraca, Alagoas, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-9170-8666
  • Bruno Barbosa Giudicelli Universidade Federal de Alagoas, Laboratório de Cineantropometria, Atividade Física e Promoção da Saúde, Arapiraca, Alagoas, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-1871-2087
  • Lucas Mattheus Pereira Lima Universidade Federal de Alagoas, Laboratório de Cineantropometria, Atividade Física e Promoção da Saúde, Arapiraca, Alagoas, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-9903-2309
  • Paulo Felipe Ribeiro Bandeira Universidade Regional do Cariri, Crato, Ceará, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-8260-0189
  • Ingrid Kelly Alves dos Santos Pinheiro Universidade Federal de Alagoas, Laboratório de Cineantropometria, Atividade Física e Promoção da Saúde, Arapiraca, Alagoas, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-8314-5931
  • Kleberton Carlos Silva Magalhães Universidade Federal de Alagoas, Laboratório de Cineantropometria, Atividade Física e Promoção da Saúde, Arapiraca, Alagoas, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-8305-8467
  • Danilo Rodrigues Pereira da Silva Universidade Federal de Sergipe, Departamento de Educação Física, São Cristóvão, Sergipe, Brasil. Universidad Pablo de Olavide, Department of Sports and Computer Science, Sevilha, Espanha. https://orcid.org/0000-0003-3995-4795
  • Clarice Maria de Lucena Martins Universidade Federal da Paraíba, Departamento de Educação Física, João Pessoa, Paraíba, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-4947-9329
  • Rafael dos Santos Henrique Universidade Federal de Pernambuco, Departamento de Educação Física, Recife, Pernambuco, Brasil https://orcid.org/0000-0003-3912-5559
  • Arnaldo Tenório da Cunha Júnior Universidade Federal de Alagoas, Laboratório de Cineantropometria, Atividade Física e Promoção da Saúde, Arapiraca, Alagoas, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-0853-9647
  • Leonardo Gomes de Oliveira Luz Universidade Federal de Alagoas, Laboratório de Cineantropometria, Atividade Física e Promoção da Saúde, Arapiraca, Alagoas, Brasil. Universidade de Coimbra, Centro de Investigação em Desporto e Atividade Física, Coimbra, Portugal. https://orcid.org/0000-0003-1436-1125

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.28e0311

Palavras-chave:

Comportamento sedentário, Atividade Física, Análise de rede social, Brasil

Resumo

O presente estudo verificou a associação entre variáveis sociodemográficas, características da escola, nível de atividade física (AF) e comportamento sedentário (CS) em adolescentes brasileiros. A amostra foi composta por 71.903 adolescentes entre 13 e 16 anos (52,8% meninas), matriculados no último ano do ensino fundamental, em escolas públicas e privadas do Brasil, participantes da terceira edição da Pesquisa Nacional da Saúde do Escolar (PeNSE). As informações foram recolhidas através de questionário. O tempo de AF na aula de Educação Física e extra aula de Educação Física, o tempo em deslocamento ativo e o tempo em CS foram associados às variáveis sociodemográficas (tipo de município, local da escola, escolaridade da mãe, percepção de insegurança, idade e sexo) e características da escola (tipo de escola e quadra disponível para uso). Utilizou-se a análise de rede. Quanto ao comportamento ativo, a topologia de rede mostrou que os meninos são mais ativos do que as meninas, principalmente na AF extra aula de Educação Física. Além disso, os resultados revelaram um maior tempo de AF na aula de Educação Física para os meninos, estudantes cujas mães apresentavam maior escolaridade, matriculados em escolas privadas e com quadra disponível para uso. Os estudantes matriculados em escolas públicas apresentaram maior tempo de AF em deslocamento ativo. Quanto ao CS, jovens do contexto urbano apresentaram maior exposição quando comparados aos pares do contexto rural. Conclui-se que as características sociodemográficas e da escola estão relacionadas com os comportamentos dos adolescentes brasileiros em todos os domínios da AF e no CS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Ywgne Vieira do Nascimento, Universidade Federal de Alagoas, Laboratório de Cineantropometria, Atividade Física e Promoção da Saúde, Arapiraca, Alagoas, Brasil.

Laboratório de Cineantropometria, Atividade Física e Promoção da Saúde, Universidade Federal de Alagoas, Arapiraca-AL, Brasil. 

 

Referências

WHO. Global action plan on physical activity 2018-2030: more active people for a healthier world. WHO; 2018.

Guthold R, Stevens GA, Riley LM, Bull FC. Global trends in insufficient physical activity among adolescents: a pooled analysis of 298 population-based surveys with 1·6 million participants. Lancet Child Adolesc Health. 2020;4(1):23–35.

Barbosa Filho VC, Costa RM, Knebel MTG, Oliveira BN, Silva CB A, Silva KS. The prevalence of global physical activity among young people: a systematic review for the Report Card Brazil. Rev Bras Cineantropom Hum. 2018;23(4):367–87.

Bauman AE, Petersen CB, Blond K, Rangul V, Hardy LL. The Descriptive Epidemiology of Sedentary Behaviour. 2018, p. 73–106.

Pinto AA, Claumann GS, Angelo HCC, Menezes EC, Dias DT, Pelegrini A. Active commuting to school and associated factors among adolescents: a systematic review. J Phys Educ. 2017;28(1).

Ferrari GLM, Victo ER, Ferrari TK, Solé D. Active transportation to school for children and adolescents from Brazil: a systematic review. Rev Bras Cineantropom Hum. 2018;23(4):406–14.

Camargo EM, Silva MP, Mota J, Campos W. Prevalence and factors associated with active transportation to school for adolescents. Rev Saude Publica. 2020;54:78.

Ferreira RW, Varela AR, Monteiro LZ, Häfele CA, Santos SJ, Wendt A, et al. Desigualdades sociodemográficas na prática de atividade física de lazer e deslocamento ativo para a escola em adolescentes: Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE 2009, 2012 e 2015). Cad Saude Publica. 2018;34(4).

Couto JO, Araujo RHO, Silva ECM, Soares NMM, Santos AE, Silva RJS. What is the contribution of each physical activity domain to total physical activity in adolescents? Rev Bras Cineantropom Hum. 2020;22:e70170.

Parajára MC, Castro BM, Coelho DB, Meireles AL. Are neighborhood characteristics associated with sedentary behavior in adolescents? A systematic review. Int J Environ Health Res. 2020;30(4):388–408.

Matias TS, Silva KS, Silva JA, Mello GT, Salmon J. Clustering of diet, physical activity and sedentary behavior among Brazilian adolescents in the national school - based health survey (PeNSE 2015). BMC Public Health. 2018;18(1):1283.

Woods AJ, Probst YC, Norman J, Wardle K, Ryan ST, Patel L, et al. Correlates of physical activity and sedentary behaviour in children attending before and after school care: a systematic review. BMC Public Health. 2022;22(1):2364.

Tonge KL, Jones RA, Okely AD. Correlates of children’s objectively measured physical activity and sedentary behavior in early childhood education and care services: A systematic review. Prev Med (Baltim). 2016;89:129–39.

Gomes MLB, Tornquist L, Tornquist D, Caputo EL. Body image is associated with leisure-time physical activity and sedentary behavior in adolescents: data from the Brazilian National School-based Health Survey (PeNSE 2015). Braz J Psychiatry. 2021;43(6):584–9.

Silva RMA, Andrade ACS, Caiaffa WT, Medeiros DS, Bezerra VM. National Adolescent School-based Health Survey - PeNSE 2015: Sedentary behavior and its correlates. PLoS One. 2020;15(1):e0228373.

Lourenço CLM, Christofoletti M, Malta DC, Mendes EL. Associação entre tempo excessivo frente à TV e índice de massa corporal em adolescentes brasileiros: uma análise de regressão quantílica da PeNSE, 2015. Cien Saude Colet. 2021;26(11):5817–28.

Costa CS, Flores TR, Wendt A, Neves RG, Assunção MCF, Santos IS. Comportamento sedentário e consumo de alimentos ultraprocessados entre adolescentes brasileiros: Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE), 2015. Cad Saude Publica. 2018;34(3),e00021017.

Hevey D. Network analysis: a brief overview and tutorial. Health Psychol Behav Med. 2018;6(1):301–28.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa nacional de saúde escolar. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2016.

Oliveira MM, Campos MO, Andreazzi MAR, Malta DC, Oliveira MM, Campos MO, et al. Características da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar - PeNSE. Epidemiol Serv Saúde. 2017;26(3):605–16.

Mendonça G, Mendes JO, Lucena JMS, Farias Júnior JC. Os fatores sociodemográficos moderam a associação da prática de atividade física dos pais e amigos com o nível de atividade física dos adolescentes? RBAFS. 2020;24:1–9.

Fruchterman TMJ, Reingold EM. Graph drawing by force-directed placement. Softw Pract Exp. 1991; 21(11):1129–64.

Epskamp S, Cramer AOJ, Waldorp LJ, Schmittmann VD, Borsboom D. qgraph : Network Visualizations of Relationships in Psychometric Data. J Stat Softw. 2012;48(4).

Araújo RHO, Werneck AO, Barboza LL, Ramírez-Vélez R, Martins CML, Tassitano RM, et al. Prevalence and sociodemographic correlates of physical activity and sitting time among South American adolescents: a harmonized analysis of nationally representative cross-sectional surveys. Int J Behav Nutr Phys Act. 2022;19(1):52.

Andrade Neto F, Eto FN, Pereira TSS, Carletti L, Molina M CB. Active and sedentary behaviours in children aged 7 to 10 years old: the urban and rural contexts, Brazil. BMC Public Health. 2014;14(1):1174.

James M, Todd C, Scott S, Stratton G, McCoubrey S, Christian D, et al. Teenage recommendations to improve physical activity for their age group: a qualitative study. BMC Public Health. 2018;18(1):372.

Silva M, Engers P, Vilela G, Spohr C, Rombaldi A. Fontes de informação sobre benefícios à prática de atividade física e fatores associados em adolescentes: estudo de base escolar. RBAFS. 2016;21(3).

Dias PJP, Domingos IP, Ferreira MG, Muraro AP, Sichieri R, Gonçalves-Silva RMV. Prevalência e fatores associados aos comportamentos sedentários em adolescentes. Rev Saúde Publica. 2014;48(2):266–74.

Guerra PH, Farias Júnior JC, Florindo AA. Sedentary behavior in Brazilian children and adolescents: a systematic review. Rev Saude Publica. 2016; 50(0).

Werneck AO, Oyeyemi AL, Fernandes RA, Romanzini M, Ronque ERV, Cyrino ES, et al. Regional Socioeconomic Inequalities in Physical Activity and Sedentary Behavior Among Brazilian Adolescents. J Phys Act Health. 2018;15(5):338–44.

Downloads

Publicado

2023-10-20

Como Citar

1.
Nascimento JYV do, Lima CVP, Giudicelli BB, Lima LMP, Bandeira PFR, Pinheiro IKA dos S, Magalhães KCS, Silva DRP da, Martins CM de L, Henrique R dos S, Cunha Júnior AT da, Luz LG de O. Fatores associados aos comportamentos ativo e sedentário em adolescentes brasileiros: uma análise de redes. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 20º de outubro de 2023 [citado 3º de dezembro de 2023];28:1-10. Disponível em: https://rbafs.emnuvens.com.br/RBAFS/article/view/15107

Edição

Seção

Artigos Originais