Relação da massa e força muscular com nível de atividade física de usuários de Unidades Básicas de Saúde

Autores

  • Vanessa Santos Programa de Pós-graduação em Ciências da Motricidade, Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista, Campus Rio Claro
  • Daiane Macedo Laboratório de Avaliação do Sistema Musculoesquelético (LABSIM), Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente
  • Camila Nascimento Laboratório de Avaliação do Sistema Musculoesquelético (LABSIM), Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente
  • Diego Christofaro Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente
  • Luís Gobbo Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.v.21n4p%25p

Palavras-chave:

Atividade motora, Sarcopenia, Dinamômetro de força muscular, Antropometria

Resumo

O objetivo do presente estudo foi analisar a relação da massa muscular (MM) e força muscular (FM) com nível de atividade física de usuários de Unidades Básicas de Saúde (UBS) de Presidente Prudente, SP. A amostra foi composta por 474 homens e mulheres com idade > 50 anos. Como identificador da MM e FM, utilizou-se o índice de massa muscular (IMM), e a dinamometria manual, respectivamente. A atividade física habitual (AFH) foi estimada por meio de questionário Baecke. Para classificar a amostra (baixo IMM, baixa FM e atividade física), utilizou-se valores abaixo do tercil 1 de cada variável, segundo sexo. O teste qui-quadrado e a análise de regressão logística foram utilizados para análise das associações. Observou-se que o baixo nível de atividade física ocupacional associou-se a baixa FM (χ2 = 5,859; p = 0,015), em homens (χ2 = 5,907; p = 0,015). Foi verificado também que o baixo nível de atividade física no domínio exercício físico no lazer associou-se a baixa FM (χ2 = 9,585; p = 0,002) em mulheres (χ2 = 13,191; p≤0,001). Foi verificada associação positiva entre baixa FM e baixo nível de AFH para a amostra total (χ2 = 6,385; p = 0,012) e em homens (χ2 = 4,938; p = 0,026). Pessoas com baixo nível de AFH apresentaram 1,89 maiores chances (IC95% 1,26-2,84) de terem baixa FM, sendo que homens apresentaram 2,76 mais chances (IC95% 1,33-5,73). Em conclusão, pessoas com baixo nível de atividade física apresentam maior chance de terem baixa FM, em especial, os homens.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa Santos, Programa de Pós-graduação em Ciências da Motricidade, Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista, Campus Rio Claro

Departamento de Educação Física

Daiane Macedo, Laboratório de Avaliação do Sistema Musculoesquelético (LABSIM), Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente

Departamento de Educação Física

Camila Nascimento, Laboratório de Avaliação do Sistema Musculoesquelético (LABSIM), Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente

Departamento de Educação Física

Diego Christofaro, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente

Departamento de Educação Física

Luís Gobbo, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente

Departamento de Educação Física

Downloads

Publicado

2016-07-01

Como Citar

1.
Santos V, Macedo D, Nascimento C, Christofaro D, Gobbo L. Relação da massa e força muscular com nível de atividade física de usuários de Unidades Básicas de Saúde. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 1º de julho de 2016 [citado 28º de setembro de 2021];21(4):334-43. Disponível em: https://rbafs.emnuvens.com.br/RBAFS/article/view/6766

Edição

Seção

Artigos Originais